Resultado de imagem para Xereu AMARELO

Valentia é a palavra que melhor define o comportamento deste peixe pescado e venerado em todo mundo.

O Xaréu Amarelo, tem formato único. Possui corpo alongado e bastante comprimido, com perfil superior convexo na região da cabeça e reto no abdome. A cabeça é bem grande e ocupa cerca de ¼ do comprimento do corpo. Uma pequena e característica mancha preta se posiciona sobre o opérculo, na mesma altura dos olhos, que também se destacam. A boca, ampla e estreita, tem dentes caniniformes finos. A primeira nadadeira dorsal é pequena, com formato triangular, e está separada da segunda dorsal. A anal está implantada na cauda, em posição quase simétrica a ela. O pedúnculo caudal é estreito e possui duas quilhas. A coloração é cinza ou verde azulada no dorso, prateada nos flancos e branca no ventre. A porção inferior, assim como as nadadeiras, é amarelada. Uma mancha preta se apresenta sobre os flancos, na axila da nadadeira peitoral.

Característica

Distribuição: No Atlântico Ocidental, da Nova Escócia (EUA) à Argentina.

Porte: Até mais de 1 metro e 25 quilos.

Hábitat: Gosta de regiões profundas, ao redor de ilhas e em costões rochosos, lajes, parcéis e sobre corais. Os exemplares pequenos e juvenis podem ser encontrados em praias arenosas. A espécie também frequenta estuários e manguezais, em águas com maior salinidade.

Melhor Época: Durante o período mais quente.

O Xaréu-olhudo, tem corpo alongado e comprimento, com perfil superior convexo na cabeça e reto no abdômen. A cabeça é grande, bem como os olhos. A boca, ampla e estreita, tem dentição caniniforme fina. A primeira nadadeira dorsal é pequena, tem formato triangular e é separada da segunda dorsal; a anal tem o mesmo formato e é quase simétrica a ela. O pedúnculo caudal é estreito, dotado de duas quilhas, e a nadadeira caudal é furcada, com altura menor que a maior altura do corpo. A coloração geral é cinza ou cinza azulada do dorso, prateada nos flancos e branca no ventre, com a cauda amarelada.

Característica

Distribuição: No Atlântico Ocidental, de Nova Jersey (EUA) ao sul do Brasil.

Porte: Até mias de 1 metro e 10 quilos.

Hábitat: Gosta das regiões profundas ao redor de ilhas, nos costões rochosos, lajes e parcéis, sobre rochas ou corais, de preferência na correnteza e no embate das ondas na espuma. Os pequenos exemplares ou juvenis podem ser encontrados em praias arenosas e também frequentam as regiões de estuário e manguezais.

Melhor Época: Durante o período mais quente do ano.

 

Os Equipamentos

Sempre agressivo e valente, o xaréu da show na pesca de arremesso, atacando também iscas trabalhadas na meia-água e eventualmente no fundo. Os grandes exemplares chegam a dar descarregões de linha que tornam necessário segui-los com barco. Estão entre as espécies para as quais as iscas artificiais são tão ou mais produtivas que as naturais.

 

Pesca de Arremesso

Varas: de 6 a 7 pés, classe 17 a 30 libras, de ação rápida.

Carretilhas e molinetes: De categoria média (molinetes classe 2 500 a 4 000), com freio forte e capacidade para pelo menos 150 metros de linha escolhida. Molinetes levam vantagem no arremesso de iscas leves, especialmente em situações de “vento contra”.

Linhas: De multifilamento, com 20 a 30 libras de resistência.

Líderes: De fluorcarbono, com 0,45 a 0,60 mm de espessura e até 3 metros de comprimento.

Iscas: Plugs variados de 7 a 15 centímetros, com destaque para sticks, zaras e poppers na superfície, além de iscas plásticas com shads e camarões de 5 a 12 centímetros com lastro embutido ou acoplados a jig heads de 7 a 14 gramas.

 

Pesca vertical

Varas: De 5’6’’ a 6’6’’, classe 20 a 40 libras ou para linhas PE 3 e 5.

Carretilhas e molinetes: De categoria média-pesada (molinetes classe 3 000 a 6 000), com freio forte, elevada relação de recolhimento e capacidade para pelo menos 200 metros da linha escolhida.

Linhas: De multifilamento, com 30 a 50 libras resistência (PE 3 a 5).

Líderes: De fluorcarbono, com 0,50 a 0,70 mm de espessura e até 5 metros de comprimento.

Iscas Artificiais: Metal jigs de 40 a 150 gramas, dependendo da profundidade do local e tamanho dos peixes visados.

Iscas Naturais: Camarões, lulas e pequenos peixes de preferência vivos, iscas em anzóis do tipo wide gap ou live bait 1 a 2/0, levados ao fundo por meio de chumbadas do tipo oliva de 30 a mais de 100 gramas, dependendo da profundidade. Os chicotes podem ser terminais e ter até 1 metro de comprimento.

 

Pesca com mosca

O instinto predador dos xaréus, dos pequenos olhudos aos grandes amarelos, também se torna formidáveis oponentes no fly fishing.

Varas: De numeração #8 e #9, com 9 pés e ação rápida.

Carretilhas: Compatíveis às varas, de preferência com fricção e pelo menos 100 metros de backing.

Linhas: Flutuantes e do tipo sinking (shooting tapers).

Líderes: De náilon ou fluorcarbono, com cerca de 9 pés e tippet de 0,40 mm.

Iscas: Poppers e streamers em cores variadas.

 

Créditos: Bíblia do Pescador